Interreg Sudoe - Programa Interreg Sudoe

Humans of Sudoe

HUMANS OF SUDOE começa em abril de 2018 como um projeto de testemunhos. O primeiro objetivo é recolher as experiências dos usuários e implicados nos projetos financiados através do Programa Interreg Sudoe, ilustrando como estes contribuem à melhoria do nosso dia a dia; criando assim um catálogo exaustivo de testemunhos na primeira pessoa. Juntos, estes retratos constituem um blog vibrante sobre a construção de Europa por e para os cidadãos.

Se é usuário de projetos Sudoe e quere apresentar o seu testemunho, contacte com andrea.rodriguez@interreg-sudoe.eu

11/2018

 

O testemunho de Alejandro e David, usuários de Nanostar.

“O espaço sempre nos pareceu fascinante, e Nanostar é um projeto que nos vai permitir aproximar ao mundo espacial, é uma oportunidade que não se pode deixar escapar. Em Nanostar, não só vamos realizar um projeto de engenharia de um nível semelhante ao que poderíamos encontrar no futuro, mas também vamos participar num ambiente de trabalho único, formado por estudantes e professores de diferentes departamentos e universidades. Isto supõem um intercambio de experiência, metodologias e conhecimentos aos que não poderíamos aceder sem iniciativas como Nanostar. Atualmente estamos ainda em fase de desenvolvimento de ideias e projetos, mas esperamos oferecer a Nanostar tanto como este projeto nos oferecerá a nós. Sem dúvida esta iniciativa nos preparará melhor que nada para os desafios do futuro que nos aguardam no mundo laboral.”

Alejandro e David

 

NANOSTAR é um projeto Interreg Sudoe 2014-2020 que oferece a estudantes universitários a possibilidade de experimentar um processo de engenharia espacial real e completo que inclui concepção, desenho, montagem e documentação.

+info:http://nanostarproject.eu/es/nanostar/

 

 


07/2018

"O projeto é bom e deveria ser obrigatório melhorar a sustentabilidade das estações de transporte na área SUDOE."

 

Charline Bodin (36 anos, Bordeaux), usuária da estação de autocarros de Santander

SUDOE STOP CO2 (Interreg Sudoe 2014-2020) resolver as insuficiências de construção destes edifícios para reduzir a sua fatura energética e impacto ambiental. O método: a criação de um instrumento de avaliação energético das estações de transporte através de sistemas de engenharia ecológica que determinarão o seu consumo e as soluções que devem ser aplicadas.

Mais informação: http://www.sudoe-stopco2.eu/

 


06/2018


Vitor Manteigas, professor na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

A participação da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) enquanto escola-piloto do projeto ClimACT, levou-me a assumir as funções de coordenador Baixo Carbono, sendo o elemento de ligação da escola com a equipa técnica do projeto.
Com o projeto ClimACT tenho tido a oportunidade de, em conjunto com a comunidade académica, incluindo docentes, não docente e estudantes, identificar situações que têm melhorado o desempenho ambiental e energético da ESTeSL-IPL, contribuindo significativamente para a redução das emissões de carbono. Esta minha participação no projeto ClimACT possibilitou-me ainda o trabalho em rede com outras escolas de Portugal, Espanha, França e Gibraltar, onde a partilha de experiências tem passado por momentos únicos de aprendizagem. O ClimACT tem contribuído para a aquisição de conhecimentos e competências que tenho vindo aplicar no âmbito do programa Eco-Escolas, do qual sou coordenador, e naquelas que são minhas atividades enquanto professor de Saúde Ambiental. Tem-se tornado mais interessante e motivador abordar as questões energéticas e, naturalmente, as questões ambientais e relacioná-las com a saúde.


ClimACT é um projeto financiado no âmbito do Programa Interreg Sudoe 2014-2020. Através da gestão energética inteligente, as energias renováveis e a alteração de comportamentos, ClimACT melhora a eficiência energética dos edifícios escolares. Também realiza atividades formativas para sensibilizar os estudantes sobre a importância da economia baixa em carbono. 

Más información:


05/2018

Rosa Ruíz Entrecanales, arqueóloga

“O Património – com maiúscula, deve ser mimado. Chegou até aos nossos dias como o resumo da nossa história e da nossa forma de vida e, embora tenha que adaptar-se aos tempos em que vivemos, também deve conservar a sua autenticidade e integridade. Para mim, arqueóloga de profissão, SH City abre um amplo campo de possibilidades que me ajudam a gerir e conhecer melhor os monumentos. Possibilita a detecção precoce de problemas quando estes começam a aparecer, através do uso de novas tecnologias, permitindo consequentemente antecipar soluções e garantir o cuidado necessário que requer o nosso legado. Sem dúvida, é uma solução que favorece a nossa convivência com o nosso património, sem distorcer a sua visão. “

SH City é um projeto financiado no âmbito do Programa Interreg Sudoe 2014-2020. Utiliza as novas tecnologias para oferecer dados e instrumentos que ajudem a prevenir os riscos nos conjuntos monumentais garantindo assim uma maior proteção e promoção do nosso património. Mais informação: http://shcity.eu/


04/2018

 

Emilio Muñoz Fernández, Maliaño (Espanha), 60 anos.

Sou um grande aficionado da arte pré-histórica e desde há muitos anos, costumo visitar destinos de turismo arqueológico. Graças ao projeto REPPARP e a consequente criação da Rede Europeia de Arte Rupestre Pré-histórica, pude conhecer a página web e redes sociais do Itinerário Cultural do Concelho de Europa sobre Caminhos de Arte Rupestre Pré-histórico. Através destes instrumentos, posso conseguir informação atualizada e saber todas as novidades acerca de sítios vinculados à Pré-história europeia onde podem visitar-se manifestações de arte pré-histórica. Atualmente, incluem-se mais de 150 sítios rupestres situados em diferentes países e muitos deles em países do sudoeste europeu o que me é de grande ajuda no momento de planificar os meus roteiros e investigar sobre o meu hobby.

REPPARP é um projeto Sudoe do período de programação 2000-2006 que permitiu a criação de uma rede de desenvolvimento territorial para a gestão e valorização dos lugares de arte pré-histórico. Graças a este projeto, criou-se o itinerário cultural do concelho de Europa sobre Caminhos de arte rupestre.

 

Mais informação: